« Home | Aproxima-se a mágoa que investe, qual vaga imensa ... » | Renovação... Fotografia e texto: R... » | Palavras cruzadas Eras um homem belo, sereno. Tri... » | Devoro os instantes em que o vento me bate na cara... » | Achas-me especial, enquanto danço com as palavras ... » | Tenho tanta poesia {barata} dentro de mim, tanta ... » | Cartas para alguém nunca existiu... » 

09 janeiro, 2006 

O perfume das drogas
Mantém-se no ar que se respira,
A anestesia a frio,
O murro no estômago
Traz-me à superfície.
O efeito viciante de ser-se desejado
Extingue-se lentamente

Sai-se de uma embriaguez mortal.
Ainda que esta seja meramente
A falha num neurotransmissor,
Resta a tremenda sensação de ressaca
Que se principia,
Que se transforma em melancolia,
Adormecimento

A tristeza que é uma outra forma de adição.

Grito
Tento perceber que livros leste,
Ou que bíblia decoraste,
Grito
Como tiveste coragem de me julgar e condenar?
Achaste por acaso que me traficava por um nome impresso?
Eu, que vi o meu nome a negro e senti uma náusea?

Hoje,
O sangue diluiu a droga,
O coração retornou à sua cavidade original.
Mas não esqueci que paguei a peso de ouro ver-me impressa...
Já não te devo nada... nem mesmo sequer a mim...
A raiva, o nojo, a dor, o irreversível,
Resvalaram para os limites do vazio...

Vejo-te qual espantalho, agitando-se
Eternamente contra o vento.
Os passantes despir-te-ão lentamente
E quando um dia te vestirem de novo
Para a última contradança
Já não saberei quem és...
Nem tu.

Poema sem traficâncias. Visceral e límpido. Gostei. Beijos

A libertação final?
O acabar do pesadelo?
O corte definitivo das amarras?
Seja como fôr...gostei muito!

bjokas ":o)

gostei muito deste poema
jocas maradas

deixa essa dor diluir-se em palavras fortes k constroem umnovo manhã pq se há alguém k n/ É, não existe, tu ÈS e sabe-lo. Bjs doces e ternos plenos de luz

Percebo que acabou um ciclo.
"All my life's a circle;
Sunrise and sundown;
Moon rolls thru the nighttime;
Till the daybreak comes around."
Lindas as tuas palavras para definir sentimentos apesar de tudo, dolorosos!

Bien… Début de la liberté ?
b@+

És mazinha neste poema. Coitadinho do espantalho...
Gostei imenso deste teu poema. Sofrido mas bem escrito.
Beijinhos querida amiguinha e bfs.

Segui-te do «A Páginas Tantas» para este segredo e agora vou continuar a seguir-te por aqui. :)

Querida Amiga,

Sendo para mim e penso que para maioria das pessoas, difícil comentar um Poema, tiveste o condão de não me deixar indiferente a esta tua bela construção poética, amarga e crua, de palavras com endereço.

Beijocas,

vício ou "doença do bem" como cantam os clã. amor ou paixão ou droga ou dependência. ou simplesmente uma viagem (trip...), rápida ou prolongada, com efeitos que prevíamos e mais uns quantos inesperados. destroi-nos enqto nos dá a provar a vida.
sentimento tramado que nos faz esquecer de nós. para o mal e para o bem também...
*beijinho Raquel*

Lá onde as rochas teimam em mandar,
encontrei-te resguardada da minha cobiça.
Pequena Deusa de aromas e sonhos.
Esqueci-me da maldição que pende sobre aqueles que profanam os espaços e momentos sagrados, vedados aos comuns e mortais.
Sorri e sem mais levantei-te as pétalas de mulher e violei os teus segredos. Fiz o mesmo a todas as tuas subditas que te miravam incrédulas. Mudas na sua revolta, espoliadas das suas almas.
Por fim, e sem olhar para trás levei uns quantos gramas da essência dos céus.
Descí da montanha e entrei na minha cabana.
Juntei o saque de hoje ao conteúdo de colheitas anteriores.
Tudo seria preparado e traficado na obscuridade dos infernos para onde desceria mal acendesse o cachimbo.
Agora leio-te interessado.
Sim! Só quem conheçe o inferno sabe o pouco valor daqueles que vivem nos céus.
Como podem julgar-me se não desceram comigo?
Como podem dar-me conselhos se nunca assaltaram os ceus onde as Deusas se limitam a recriar as almas para que eu as volte a assaltar?
Sim.
Já sei que preciso do Ceu, mas só para o queimar no Inferno que é o meu reino.
Dizes que não sei quem sou.
Pouco interessa.
Sou ninguém.
Apenas um assaltante do paraíso, que acabará abatido pela vingança divina. Quanto mais céu queima mais céu precisará.
No fim ficarei no inferno.
Serei só eu a arder já sem alma e então as papoilas rir-se ão...

Terríveis, duras palavras! Uma espécie de exorcismo que te permita fechar um capítulo da vida? Não importa. São palavras de vida sofrida.
beijos

Espero que estejas bem? Bjokas.

Querida Ana
Numa nova abordagem... mas sempre com uma qualidade que admiramos.
Um beijo
Daniel

Confesso que senti um frio gélido na alma.

1 beijo, Ana

já k cá vim, não havendo novidade para ler,reli e aproveito para te dizer k há novidades nas minhas 3 casitas.
bjocas de luz e paz

Raquel,
Não sou entendido nestas matérias, mas fiquei ciente da profundidade dos seus caminhos.
Gostei ;)

Raquel,

Gostei imenso do cruzamento poético entre os 2 blogs!
Os Meus parabéns!

Bjks da Matilde

Fiquei sem saber quem sou... Mas sinto o desejo de voltar a sentir sensações mesmo que dolorosas para saber onde estou!

Beijos

Enviar um comentário
Papillon
Eu...


Será sempre
uma outra
forma de comunicar
uma outra
forma de estar
Raquel V.